21.6.15

5 séries para assistir

É quase uma série "pra macho". Em todos os episódios têm alguma garganta cortada, algum bucho furado, muita luta e sangue espalhado. Têm também prostitutas, cenas de sexo a dois ou a três, peitos, bundas, alguns pênis de relance, homens e mulheres enchendo a cara, piratas confabulando e gente passando a perna nos menos espertos. A primeira temporada foi morna, apesar da coleção de personagens interessantes, mas a segunda veio para quebrar velas e mastros. Espero que a série se torne mais conhecida e mais gente perceba o potencial dela.



Primeira coisa que posso dizer: a fotografia é maravilhosa. Segunda: é uma série policial, baseada nos livros de Ann Cleeves e se passa na ilha de Shetland, na Escócia (a produção é uma parceria entre a BBC1 e a BBC Scotland). O lugar é tão bonito que a série nem precisa se preocupar em gastar dinheiro com cenários elaborados. Aliás, tudo nela é simples e lindo, como as séries britânicas sabem ser. Gosto do ator que faz o detetive Jimmy Perez, do suspense dos episódios e do sotaque escocês. Mais uma coisa: Shetland era uma minissérie de dois episódios, porém, como a audiência foi muito boa, ganhou uma segunda temporada com seis episódios e uma terceira que está sendo produzida.



Quando surgiram as primeiras notícias sobre essa série, achei que seria mais uma produção sem graça e com potencial para ser cancelada na primeira temporada. Mas a curiosidade me venceu e a história dos cem jovens enviados para uma Terra pós-apocalíptica se tornou uma das minhas favoritas. Apesar de ser produzida pela CW, os episódios são tão rápidos e cheios de ação que mal sobra espaço para cenas de amor ou triângulos amorosos. As mocinhas chatas e dramáticas, comuns em outras séries do canal, não existem. Ao contrário, as mulheres são fortes, tomam decisões importantes e matam se for preciso. Há muitas lutas por sobrevivência, questões políticas e morais, personagens que estão o tempo todo arrebentados, esfolados, sujos, torturados, em perigo ou em guerra. Como li certa vez num comentário feito nesses sites de resenhas, “a série é tão boa que nem parece da CW”.



Se MMA virou modinha e até minha tia gosta, por que não ter uma série sobre? E por que não mostrar que o irmãozinho Jonas cresceu e ficou gostoso? Pois é. Kingdom tem luta no octógono, tem supercílio estourado, tem trilha sonora boa, tem atores bonitos. Mas se não quiser passar por momentos constrangedores, não assista com mãe, pai, irmão, cachorro, papagaio. Cena ou outra, sempre aparece mulher pelada, homem pelado, gente transando, alguém cheirando pó, fumando maconha, enchendo a cara, falando palavrão – aliás, é o que mais falam. Também tem várias doses de violência e relações conflituosas. Resumindo: a série é delicada como um direto, mas vale a pena assistir. ps: I love you, Jay!



hello, Jay!

É uma série médica, ambientada em 1900, que acompanha a rotina e os problemas do The Knickerbocker Hospital. Nos primeiros episódios dá vontade de largar, por causa da vagareza da história, só que existe alguma coisa no Dr. Thackery (e na cabeça alucinada dele) que te convence a continuar – no entanto, se você for sensível a sangue, vísceras ou clima de hospital, passe longe. Também evite comer se não quiser surpresas desagradáveis (principalmente com os modernos procedimentos médicos da época). O que mais posso falar? A trilha sonora é toda eletrônica, os personagens, mesmo os aparentemente comportados, fazem coisas moralmente erradas e todo mundo tem os seus segredos. 




Uma série que você pode assistir com a sua mãe, com o seu amor ou com aquele seu primo chato. Mesmo adaptando uma história tão conhecida, a série é bem produzida, possui cenários bonitos, bons atores, boas atuações e sotaque inglês alegrando nossos ouvidos. Ah, e sem esquecer a delicinha do Aramis ♥



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olar :)