26.12.19

Para 2020

Dessa vez eu não quero criar expectativas. Quero entrar no próximo ano como quem vira um dia qualquer no calendário. Como quem anda distraído, sem esperar nada, e esbarra em alegrias inesperadas. No máximo pensei em coisas para fazer por mim mesma, que não são exatamente metas, para não gerar autocobranças desnecessárias e aumentar minha ansiedade, mas que podem me proporcionar uma vida com mais equilíbrio.

Escrever um diário
Desde pequena era algo que eu costumava fazer, mas perdi o hábito nos últimos três anos. O que é uma pena, pois teria me ajudado a reconhecer melhor os gatilhos das minhas crises de ansiedade e depressão, desabafar meus medos e irritações, além de ser uma maneira de guardar a minha história.

Fazer terapia
Terapia não é nenhuma novidade para mim. Experimentei em diferentes momentos da vida, mas nunca senti essa urgência para descarregar as coisas que absorvi e guardei ao longo do tempo. Sem falar que tenho transtorno de ansiedade e seria bom aliar a medicação com terapia. 

Menos telas, mais livros
Amo séries e filmes inteligentes, amo me distrair com umas bobeiras na Netflix, amo esquecer o mundo por algumas horas jogando The Sims. Porém, sinto que tenho lido pouco. Um desejo simples, e bem recorrente em todas as minhas listas, é ler mais sempre e sempre. 

Menos doces
Este foi um ano em que eu estava estressada quase o tempo todo e para tentar amenizar, comprava barras de chocolate e pacotes de fini. Então comia uma barra, ou uns finis de morango, ou a barra e as balas, e ia dormir. Cheguei num nível de compulsão tão ruim que quando minha mãe fez uma viagem mais longa no meio do ano, e fiquei sozinha com o meu pai, o chão do meu quarto começou a ficar cheio de embalagens vazias. Como meu pai não prestava atenção em mim, ele também não percebeu que minha rotina era basicamente chegar do trabalho, comer doces, chorar e dormir. O chocolate e as balas viraram uma espécie de válvula de escape para fugir da realidade, uma maneira louca de suprir minhas faltas e a solidão. Por isso preciso tanto voltar a ter uma relação saudável com o açúcar.

Desacelerar e priorizar
Eu flerto com o minimalismo há um tempo. Flerto com a ideia de uma vida com menos ruídos, coisas, informações, consumo e redes sociais. Este ano, talvez pelo excesso de stress que carreguei, percebi que eu me sentia sufocada quando via tantas mensagens se acumulando nas minhas redes. Ficava mal com a falta de tempo para fazer tudo o que queria. Me sentia péssima por não ter energia e estar sempre cansada. Para mim nunca foi uma tarefa fácil relaxar a mente, desacelerar os pensamentos e cortar o que não é necessário. Sem dúvida, considero essa “meta” a mais importante, que se conecta com todas as outras e é a chave para viver melhor. 

6.12.19

Um ano para sobreviver

Este foi um ano cansativo, em que me vi chorando várias vezes no banheiro e passando mal com crises de ansiedade. Também foi um ano para refletir sobre o futuro, repensar minhas necessidades, e um ano em que, no caminho de volta para casa, eu suplicava a Deus que colocasse alguém na minha vida para aliviar a angústia da infelicidade.

Este foi um ano para conhecer e perder pessoas pelo caminho, mostrar a força da minha voz, vomitar dores engasgadas ao longo do tempo. Também foi um ano para reforçar ao meu coração que mereço mais e por isso me afastar de amores sem compromisso.

Este foi um ano de solidão, enxaqueca, domingos de angústia, cansaço mental, vício em chocolate, desânimo, insatisfação, lágrimas derramadas, silêncios e mensagens não respondidas. Também foi um ano de decisões, pausas necessárias, pontos finais, desejos realizados e pequenas conquistas. 

Este foi um ano para colocar entre os piores da minha existência, embora tenha sido outro ano para me fortalecer.

4.8.19

Das coisas que minha alma quer dizer

Há meses tento escrever. Há algo preso em mim. Um grito agoniado implorando para sair. Uma angústia chorada. Um desejo de me rasgar, berrar, despejar a infelicidade e o que mais parece não ter fim.

Vivo cansada, apática, esgotada mentalmente. Meu corpo diz sim, faça isso. Você merece um tempo. Você PRECISA URGENTEMENTE de um tempo.

O choro quer sair. Minha alma quer vomitar. Eu quero me encontrar e ser feliz.


A depressão é uma praga que voltou a me assolar.